Blog feito com amor!

29 de jan de 2010

Nós albinos(as) somos FELIZES!!!



Apesar de notícias como essa:

Albinos não fazem parte das estatísticas oficiais
Alguns portadores de albinismo do estado da Bahia fundaram em 2001 uma associação para representá-los: a Associação das Pessoas com Albinismo da Bahia (APALBA). De lá para cá, a entidade conseguiu reunir mais de 200 associados, todos portadores do albinismo que lutam contra o preconceito e buscam efetivar direitos especiais, mesmo não fazendo parte das estatísticas oficiais.

Segundo a atual diretora executiva da entidade, Maria Helena Machado, um dos objetivos da APALBA é transformar a realidade de exclusão a que estas pessoas estão submetidas desde o nascimento. “A APALBA luta para conquistar parcerias com entidades privadas e públicas, além de ações governamentais nas áreas de educação, saúde, trabalho e renda, por considerar o acesso a esses serviços fundamental para o exercício pleno da cidadania das pessoas com albinismo”, salienta a diretora executiva. Em 2001, com o apoio da dermatologista Shirlei Moreira, 19 pessoas portadoras do albinismo aprovaram o primeiro estatuto da APALBA.
Sem identificação
De acordo com Maria Helena Machado, as pessoas com albinismo não fazem parte das estatísticas oficiais, apesar de uma simples observação empírica indicar a abrangência de uma parte da população brasileira.
Isso é confirmado pela unidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em Alagoas. De acordo com o chefe da unidade do IBGE no Estado, Adalberto Ramos, quando elabora o censo para saber qual a cor ou raça das pessoas, o pesquisador faz a pergunta e cita como opções apenas branco, preto, pardo, amarelo e indígena.
Mas ele destaca que, antes de cada censo, o IBGE realiza debates e seminários com pesquisadores e entidades representativas da sociedade para discutir a inclusão ou exclusão de novas condições, características ou tópicos importantes que ajudem a descrever e identificar melhor a sociedade brasileira. “Para uma associação como a APALBA, o caminho é entrar em contato com o IBGE e levar essa temática para discussão, por meio de um movimento, com justificativa e muita participação”, orienta Adalberto Ramos, tendo em vista que o próximo censonacional será realizado em 2010. O endereço do IBGE na internet para mais informações é o www.ibge.gov.br e o e-mail para contato é o ibge@ibge.gov.br.
Albinos quilombolas
Em Alagoas, a exemplo do que ocorre na Bahia, também não existem números oficiais sobre a quantidade de pessoas portadoras do albinismo. Em Santana do Mundaú, na zona da Mata alagoana, existe uma comunidade de remanescentes de quilombos chamada Filus onde vivem nove pessoas albinas, entre adultos e crianças. Elas enfrentam problemas de saúde por contada particularidade genética e ainda a carência de serviços públicos essenciais,como água potável, educação, saúde, transporte e trabalho.
No começo de março deste ano, com o apoio do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral) e do Instituto Irmãos Quilombolas, os albinos de Filus começaram um período de avaliação médica no Hospital Universitário da Universidade Federal de Alagoas, para investigar problemas de pele comuns em pessoas albinas e passar por uma bateria de exames que explique, afinal, a razão do alto índice de albinismo na comunidade.
Direitos conquistados
Mesmo ainda não fazendo parte das estatísticas oficias, na Bahia alguns direitos já estão sendo efetivados em benefício dos portadores de albinismo, a exemplo do passe livre municipal e interestadual e distribuição gratuita de protetor solar mediante apresentação de receitamédica.
Além disso, as pessoas com albinismo que têm visão subnormal ou baixa visão, confirmada pela perícia médica e enquadradas nos critérios estabelecidos nas leis correspondentes, fazem jus ao Beneficio de Prestação Continuada da Previdência Social (BPC).

Fonte:

http://www.iteral.al.gov.br/sala-de-imprensa/noticias/albinos-nao-fazem-parte-das-estatisticas-oficiais

Acreditamos que alcançaremos nosso objetivo em breve, e termos nossos direitos assegurados!

Enfrentar preconceito

é o preço que s

e paga por ser diferente!

Apalba


A PALBA vem intensificando a luta para alcançar os seguintes objetivos:

  • Realização de cadastramento e diagnóstico para identificar e atender às pessoas com albinismo;
  • Ações públicas específicas para prevenção e tratamento de câncer de pele e cegueira pois as pessoas com albinismo estão sujeitas a desenvolverem precocemente diminuição da acuidade visual,chegando até mesmo à cegueira, além de inúmeras lesões de pele pré-cancerígenas e cancerígenas;
  • Políticas públicas para combate ao analfabetismo, desemprego e exclusão da população com albinismo, especialmente nas áreas de saúde, educação, habitação, acesso público e inserção no mercado de trabalho. Esse segmento da sociedade reúne os mais altos índices de analfabetismo, pobreza e desemprego, conseqüentes de processos históricos de exclusão.

SÁUDE:

A APALBA é uma das fundadoras e membro atuante dos Fóruns de Usuários do SUS e do FEPABA – Fórum de Entidades de Patologias da Bahia. Integra o Conselho Estadual de Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência – COEDE, Conselho Municipal de Saúde, Conselho Gestor do Hospital das Clínicas e ANEPS (Articulação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular e Saúde). Atuando para melhorar o acesso das pessoas com deficiência. É também uma das 17 entidades que compõem a Comissão Civil de Acessibilidade de Salvador – COCAS, e atualmente integra a Coordenação desse fórum.

A entidade atua junto à Secretaria Estadual de Saúde reivindicando um melhor acesso das pessoas com albinismo á rede de atendimento SUS. Uma das primeiras ações da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia foi o atendimento preferencial das pessoas com albinismo no Centro Estadual de Oncologia - CICAN, para atendimento dermatológico e cirurgias de pequena complexidade, com atendimento preferencial. O atendimento dermatológico também é efetuado pelos Hospitais Aristides Maltez, D. Rodrigo de Menezes e 14º. Centro de Saúde Professor Mário Andréa, porém ainda insuficiente, principalmente para as pessoas com albinismo residentes no interior do Estado.

A APALBA também conquistou atendimento oftalmológico na rede municipal de saúde através do Instituto de Cegos da Bahia e cortesias por parte do médico oftalmologista Edson Silveira, especialista em visão subnormal. Entretanto, há uma necessidade de ampliação da rede pública de atendimento, pois além da demora, não há acesso preferencial nem profissionais especializados, suficientes para diagnóstico, atendimento e acompanhamento das pessoas com albinismo.

TRABALHO E RENDA:

A maioria das pessoas com albinismo se encontra no mercado informal e se submete às condições de trabalho insalubres e inadequadas para o seu perfil, pois são obrigadas a aceitar atividades que as expõem ao sol, ignorando riscos e agravamentos das seqüelas e doenças da pele e da visão.

A APALBA vem atuando junto ao poder público estadual e municipal buscando informações sobre o e fazendo encaminhamento dos associados para a triagem e inserção daqueles que estejam em condições e aptos para entrar no mercado de trabalho.

A entidade também tem encaminhado projetos para obtenção de financiamento público e privado visando criar alternativas de geração de trabalho e renda de forma autogestionaria e solidária com condições de trabalho adequadas ou adaptadas às limitações das pessoas com albinismo.

Quanto às pessoas com albinismo que não possuem capacidade laborativa são orientadas pela APALBA a procurarem a Previdência Social para se submeterem a perícia médica objetivando enquadramento no Benefício de Prestação Continuada – BPC/LOAS.

Apalba



A APALBA, entidade que representa pessoas com albinismo na Bahia, fundada em 15 de março de 2001, é uma organização civil de direito privado, sem fins econômicos, de caráter filantrópico e de utilidade pública. Tem por finalidade o bem-estar das pessoas com albinismo, auxiliando-as no conhecimento de sua condição, defendendo seus direitos, para sua integração à sociedade e esclarecendo-lhes quanto aos seus deveres. Portanto, sua vocação é informar, proporcionar serviços médicos, apoiar as famílias para orientação escolar e profissional, reabilitar a imagem e facilitar a integração social dessas pessoas.

A consciência da situação de abandono em que se encontram as pessoas com albinismo tem suscitado em vários países como na França, Estados Unidos, Austrália, África do Sul, Mali, etc., a criação de um movimento, reunindo profissionais de várias áreas, juntamente com as pessoas com albinismo, empenhados em desenvolver organizações voltadas para a compreensão e intervenção técnico-científica, cultural e social nesta realidade. A criação da APALBA é resultado desta mesma motivação.
A associação se constituiu a partir da reunião de 19 pessoas no SINTSEF – Sindicato dos Servidores Públicos Federais em 15 de março de 2001, quando foi aprovado seu primeiro estatuto. O inconformismo de seus fundadores com a situação das pessoas com albinismo motivou esta reunião visando transformar a realidade de abandono a que estão submetidas desde o nascimento, especialmente o preconceito que é seu principal inimigo. A ampliação desse pequeno núcleo se desenvolveu gradualmente durante sete anos de funcionamento, tendo contribuído de forma significativa para sensibilizar a população em geral das necessidades das pessoas com albinismo e despertar para a existência da Associação que hoje é uma referência nacional para a causa das pessoas com albinismo.
A APALBA luta para conquistar parcerias com entidades privadas e públicas além de ações governamentais nas áreas de Educação, Saúde, Trabalho e Renda, por considerar o acesso a esses serviços fundamental para o exercício pleno da cidadania das pessoas com albinismo. A legislação vigente (lei 7.853 de 24 de outubro de 1989) já dispõe sobre o apoio às pessoas com deficiência incluindo as pessoas com albinismo, tendo em vista a sua integração social. No entanto, a inexistência de políticas públicas voltadas para essa camada específica da população, é evidente: as pessoas com albinismo não fazem parte das estatísticas oficiais, apesar de uma simples observação empírica indicar a abrangência de uma parte da população brasileira.
A atuação da APALBA se fundamente na certeza da necessidade urgente de medidas capazes de dar visibilidade a essa população e a magnitude do problema na sociedade, visando estimular a orientação genética nos casos de história familiar de albinismo, buscando ampliar o conhecimento sobre a deficiência, e orientar modos de convivência para prevenção das seqüelas. Estimula a adoção de hábitos de vida para prevenção das seqüelas próprias da deficiência, encaminhando as pessoas principalmente a serviços de oftalmologia, dermatologia e genética. Além disso, outras pessoas com albinismo, já comprometidas funcionalmente, são encaminhadas para benefícios previdenciários que façam jus, e são estimuladas a se inserirem na sociedade.
Fonte:
http://apalba-albinosdabahia.blogspot.com/2009/09/conheca-um-pouco-sobre-apalba.html

video

26 de jan de 2010

O que é albinismo?


Luta pela inclusão dos albinos na sociedade

Postado em 23 setembro 2009 por Redação Portal Primeiramão

Preconceito, dificuldades financeiras e problemas de saúde. Esses são apenas alguns dos percalços a que são submetidos os portadores de albinismo. Foto: José Zitho JúniorConversamos com Roberto Rillo Bíscaro (42 anos), albino de família humilde residente em Penápolis, no interior de São Paulo.

Apesar das dificuldades econômicas e físicas impostas pelo albinismo, Roberto se formou em Letras e hoje é professor de inglês e literatura, com doutorado pela Universidade de São Paulo (USP). Com o intuito de chamar a atenção para os problemas que muitos albinos enfrentam no país, Bíscaro criou o Blog do Albino Incoerente(http://albinoincoerente.blogspot.com/),em que se pode encontrar todo tipo de informação que encontro a respeito do tema: notícias de jornal ou revistas, sites de interesse e histórias pessoais.

Confira abaixo a entrevista completa:

1- O que é o albinismo?

Existem várias formas de albinismo, mas, de modo geral, o albinismo caracteriza-se pela ausência de pigmentação na pele, olhos e pelos do corpo. A substância que dá cor às partes do corpo chama-se melanina. Nós, albinos, nascemos sem essa substância, por isso somos tão branquinhos! O albinismo ocorre com mais freqüência na população afro-descendente, mas manifesta-se em qualquer grupo étnico.

2- Quando começou a se interessar e divulgar o assunto?

Iniciei o blog no dia 1º de fevereiro deste ano. Percebi que havia muito pouco sobre o assunto reunido em um lugar só e fui começando a reunir essas informações num único lugar. Para se ter uma ideia, sequer sabemos quantos albinos existem no Brasil porque não constamos do Censo do IBGE; desse modo, somos invisíveis aos olhos do poder público. Há também uma série de concepções errôneas sobre os albinos. Tem gente que acha que albinismo provoca retardamento mental, o que é falso. Eu mesmo sou professor doutor, não há nada de errado com meu cérebro. Infelizmente, somos muito mal representados por parte da mídia. Há uma quantidade enorme de filmes que nos retratam como vilões ou seres com poderes sobrenaturais, quando, na verdade, somos apenas seres humanos como quaisquer outros, apenas não temos pigmentos. Veja o filme O Código Da Vinci, por exemplo, onde o vilão é albino. Esse é apenas um dentre vários exemplos que poderia citar. Isso contribui muito negativamente para a nossa imagem, porque pode passar a ideia de que somos psicologicamente desajustados. Por isso, no blog, conto histórias pessoais e de outros albinos, gente como qualquer outra com os mesmos problemas, sonhos e felicidades etc.

Foto: José Zitho Júnior3- Que tipo de barreiras os albinos têm de transpor durante a vida?

Muitos albinos têm sérios problemas visuais, além de não podermos nos expor muito ao sol, devido à ausência de pigmentação. Tais problemas porém, podem ser minimizados com óculos, óculos de sol ou protetor solar. A maior barreira que os albinos enfrentam é a falta de informação sobre a condição, que leva ao preconceito e à exclusão do mercado de trabalho, por exemplo. Muitos albinos não conseguem emprego e, por esse motivo, não podem comprar protetor solar, essencial para nós. Assim, cria-se uma barreira econômica para muitos de nós. Defendo no blog que o governo deve adotar políticas públicas de saúde para essa parcela da população. Uma das medidas necessárias é a distribuição gratuita de protetor solar a albinos, a fim de evitar câncer de pele, afinal, a prevenção sairia muito mais barata aos cofres púbicos do que o tratamento da doença. Orgulho-me em dizer que meus esforços nesse sentido começam a dar resultado. Tramita desde agosto na Assembléia Legislativa de São Paulo, o Projeto de Lei 683 – de autoria do deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL) – que se aprovado garantirá a distribuição grátis de protetor solar e óculos aos albinos residentes no estado.

Muitas crianças albinas não conseguem concluir sequer o ensino fundamental porque não enxergam o quadro. Assim, as políticas de inclusão devem contemplar também este grupo.

4- Há muito preconceito contra os portadores de albinismo?

Infelizmente, há. Quando criança e adolescente fui bastante agredido verbalmente por crianças e até por adultos, que me chamavam de “vovô”, “rato branco”, “Branca de Neve”, “doente”. Ainda escuto alguns desses apelidos hoje, mas não fazem mais efeito porque consegui vencer profissionalmente, mas, quando se é criança e adolescente isso pesa muito porque é nessa época que formamos nossa auto-estima e nossa auto-imagem, então, tudo isso dói muito e pode ser prejudicial. Certamente, nem todos os albinos conseguem vencer essa etapa e permanecem a vida toda com a auto-estima baixa.

5- O albino possui limitações que o impossibilitam de alguma atividade?

Não podemos nos expor muito à luz do sol porque não temos pigmentação, então não bronzeamos. Muito pelo contrário, podemos ter queimaduras até de terceiro grau se não tomarmos cuidado. Isso sem contar que a longo prazo podemos desenvolver câncer de pele. Como muitos de nós não possuímos pigmentação nos olhos, somos extremamente sensíveis à claridade, tendo que usar óculos de sol. Também, muitos albinos possuem visão sub-normal – alguns são praticamente cegos -, então temos que usar óculos e até mesmo aparelhos mais sofisticados – e caros! – para auxiliar na visão. Desse modo, albinos devem evitar atividades ou profissões que exijam longa permanência ao sol. Existem filmes, por exemplo, que trazem personagens albinas como atiradores de elite. Absurdo, não? Mas, isso já aconteceu mais de uma vez…

Foto: Diário de Penápólis6- Quais são os cuidados que um portador de albinismo deve ter com a saúde?

Usar protetor solar com fator bem elevado, de 30 para cima, de três em três horas, todos os dias, não importa se faça sol ou não. Isso é vital – e caro! – para diminuir o risco de câncer de pele. O ideal seria usar roupas de manga comprida e chapéus também. Ou seja, quanto mais protegidos do sol, melhor. Consultas regulares ao oftalmologista e dermatologista também são importantes. Ser albino é caro, por isso insisto na adoção de políticas públicas de saúde para essa população.

7- Essa é uma doença hereditária ou transmissível?

O albinismo não é contagioso. Para que uma pessoa nasça albina é necessário que ambos os pais possuam o gene e que, além disso, esse gene se manifeste. Se a pessoa “perdeu a chance” de ser albino no nascimento, jamais o será.

8- Você conhece algum caso especial ou curioso sobre o albinismo?

É comum achar que todo albino não enxergue bem de longe, entretanto, sei de casos de albinos que não enxergam bem de perto. Têm hipermetropia. Vou aproveitar essa questão para desfazer um mito: muita gente considera curioso que um casal de negros tenha filhos albinos. Pois não é nada curioso. A incidência do albinismo entre afro-descendentes é maior do que entre outras etnias.

9- Já passou por alguma situação constrangedora por causa da doença?

Muitas. Na verdade, quase o tempo todo. As pessoas me encaram muito; às vezes, param de caminhar para me encarar. É muito desagradável isso. Às vezes, eu paro também e encaro de volta. Daí elas se tocam do horrível que é e saem sem jeito. Também é comum ouvir comentários em voz meio alta como “coitado” ou “que homem feio!”. As pessoas podiam tentar guardar suas opiniões para si próprias. Eu não ligo mais, até porque, tem gente muito interessante que me acha lindo, mas há albinos que certamente se sentem feridos com esse tipo de comentário.

10- Acha que haverá cura para a doença num futuro próximo?

A engenharia genética e a pesquisa com células-tronco podem trazer surpresas no futuro, mas não creio que no futuro próximo. Entretanto, há auxílios óticos poderosos e também os cuidados que mencionei anteriormente. Isso tudo, aliado à cooperação das outras pessoas – isto é, para que o preconceito diminua – tornam a vida de um albino bastante normal e comum.

Foto: Acervo Pessoal11- Existe alguma ação do governo para divulgação da doença?

Tenho notado muito pouco nesse sentido, por isso uma das bandeiras do blog é chamar a atenção para esse assunto. É necessário que as escolas estejam prontas para discutir o assunto e integrar os alunos com albinismo, que frequentemente são vitimas de bullying. Também é urgente que o governo ajude aqueles albinos que não tem condições a comprarem protetor solar. Caso contrário, podem morrer cedo devido ao câncer de pele.

12- Os albinos têm vergonha de se mostrar?

Eu, particularmente, jamais tive vergonha de me mostrar, apesar das agressões verbais que sofri. Fiz teatro na adolescência, participava de todos os eventos na escola, saía com os amigos, viajava, enfim, curtia a vida o quanto podia. Sei de casos de albinos que são reclusos, sim. Entendo perfeitamente porquê seja assim, mas jamais dei esse gostinho a quem me ofendia. Eu fiz exatamente o contrário: fui à luta e me doutorei na melhor universidade deste país. Sou profissional respeitado, viajo sozinho até para o exterior. Vergonha deveria ter é quem tem preconceito, essa coisa tão mesquinha e pequena.

13- Que recado você deixaria para os portadores de albinismo?

Vão à luta! Ficar em casa escondido com pena de si mesmo não mudará a situação do mundo aqui fora. Preconceito existe, mas também há muita gente que não o tem. E essas são as pessoas mais interessantes, acreditem. Os albinos do estado da Bahia deram um exemplo fabuloso quando criaram a Associação das Pessoas com Albinismo da Bahia (APALBA). Lá, os albinos já recebem protetor solar grátis há alguns anos. Só o fato da pessoa sair na rua, socializar já ajuda na diminuição do preconceito. Quanto mais gente se familiarizar conosco, mais chances há de o preconceito diminuir. Somos branquinhos, mas não podemos deixar nossas vidas passarem em branco. A vida é curta demais para permitirmos isso!

FONTE:

http://blog.primeiramao.com.br/index.php/2009/09/23/luta-pela-incluso-dos-albinos-na-sociedade/

video

video

video

video

22 de jan de 2010

Pensamento positivo sempre

O Valor de um Sorriso:
-Não custa nada e rende muito...
Enriquece quem recebe, sem empobrecer quem dá...
Dura somente um instante, mas seus efeitos duram para sempre... Ninguém é tão rico que dele não precise...
Ninguém é tão pobre que não possa dar a todos...
Leva a felicidade a todos e a toda parte...
É o símbolo da amizade, da boa vontade...
É o alento para os desanimados, repouso para os cansados, raiá de sol para os tristes, ressurreição para os desesperados...
Não se compra não se empresta...
Nenhuma moeda do mundo pode pagar o seu valor...
Não há ninguém no mundo que precise tanto de um sorriso, como aquele que não sabe mais sorrir...
video

Agenda da felicidade


O Sorriso
É o cartão de visita das pessoas saudáveis.
Distribua-o gentilmente.

O Diálogo
É a ponte que liga as duas margens, do eu ao tu.
Transmite-o bastante.

O Amor
É a melhor música na partitura da vida.
Sem ele, você será um(a) eterno(a) desafinado(a).

A Bondade
É a flor mais atraente do jardim de um coração bem cultivado.
Plante estas flores.

A Alegria
É o perfume gratificante, fruto do dever cumprido.
Esbanje-o, o mundo precisa dele.

A Paz na Consciência
É o melhor travesseiro para o sono da tranqüilidade.
Viva em paz consigo mesmo.

A Fé
É a bússola certa para os navios errantes, incertos, buscando as praias da eternidade.
Utilize-a sempre.

A Esperança
É o vento bom enpurrando as velas do nosso barco.
Chame-o para dentro do seu cotidiano..

19 de jan de 2010

Pensamento positivo sempre


"DICAS PARA SE VIVER ENTUSIASTICAMENTE"
1- Afaste-se das pessoas e dos fatos negadores e negativos. Se você se deixar envolver por um ambiente negativo, você vai se transformar numa pessoa negativa.
2- Acredite nos seus "insights" positivos. Os vencedores são aqueles que acreditam nas suas idéias.
3 - Não reclame constantemente. Quando a gente reclama muito, se habitua a reclamar cada vez mais e acaba se transformando numa pessoa azeda. É insuportável conviver com pessoas que só vivem se queixando!
4- Cultive a alegria e o bom humor... Aprenda a sorrir! Terapia do Riso : Habituar-se a sorrir, a achar graça de si mesmo. O sorriso tem um efeito poderoso em nossa vida; as pessoas que zombam dos próprios erros, são mais felizes e mais fortes.
5- Ilumine seu ambiente de trabalho e da sua casa. A escuridão traz a depressão! O ambiente determina a condição funcional em que as pessoas agem e fazem as coisas ocorrerem.
6- Seja alguém disposto a colaborar com os outros. Sempre ache uma maneira de participar! Traga as pessoas mais próximo de você. Participe, converse com as pessoas com as quais convive. interesse-se pelas pessoas à sua volta!
7 - Surpreenda as pessoas com "momentos mágicos". Contagie os outros... Faça com que ao entrar num ambiente, as pessoas se contagiem com a aura de entusiasmo que envolve você!
8 - Faça tudo com sentimento de perfeição. Faça as coisas com vontade de fazer! Não faça nada pela metade! Faça as coisas com desejo de acertar e de criar o mais correto possível! Ande bem vestido, limpo e perfumado. Tenha orgulho da sua imagem. Gostar de si próprio, mantendo a auto-estima, é fundamental para o Entusiasmo.
10 - Aja prontamente. Faça agora! "DO IT NOW" Não postergue, não deixe para amanhã. Quando tiver alguma coisa para fazer, faça imediatamente. Sentiu que é o momento certo?
- Aja! ! !
"ENTUSIASMO SIGNIFICA TER DEUS DENTRO DE SI."
Descubra o entusiasmo na Vida! Seja capaz de transformar as coisas e fazê-las acontecer. Não espere as condições ideais, faça o Entusiasmo ocorrer pela crença de que você é capaz de realizações eficazes e de... VENCER OBSTÁCULOS !!!
E jamais seja um(a) MU-QUE-RE-LA:
MUrmurar!
QUEixar!
REclamar!
LAmentar!
Fonte:

video

Esqueça:

Esqueça os dias de nuvens escuras...
Mas lembre-se das horas passadas ao sol .
Esqueça as vezes em que você foi derrotado...
Mas lembre-se das suas conquistas e vitórias.
Esqueça os erros que já não podem ser corrigidos...
Mas lembre-se das lições que você aprendeu.
Esqueça as infelicidades que você enfrentou...
Mas lembre-se de quando a felicidade voltou.
Esqueça os dias solitários que você atravessou...
Mas lembre-se dos sorrisos amáveis que encontrou...
Esqueça os planos que não deram certo...
Mas lembre-se de
SEMPRE TER UM SONHO...
Autor desconhecido!